São Paulo é definitivamente um lugar onde as coisas acontecem, e sempre acontecem muitas coisas ao mesmo tempo, e as vezes por esse motivo a gente quase perde eventos legais pela cidade. Tinha tempo que eu estava sabendo da exposição File, mas foi só nesse fim de semana, o último da exposição em cartaz que decidi ir ver o que estava rolando por lá. File – Festival Internacional de Linguagem eletrônica é o maior encontro do país sobre arte digital e ocupou quatro espaços do Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso, na avenida Paulista: a Galeria de Arte, o Teatro do Sesi-SP, o Espaço Fiesp e o Espaço Mezanino, além do Museu da Imagem e do Som (MIS) e das estações de metrô Consolação e Trianon-Masp.

Essa foi a 13° edição do evento, que tinha entrada gratuita e muita arte interativa. Entre elas vários games com realidade aumentada, vídeos artísticos e até um jogo para 4 pessoas inspirado em Focault. Dos 4 espaços só consegui visitar um, o File Anima+ e File Games que fica na Fiesp, na avenida Paulista. Fiz algumas fotos para mostrar o que vi por lá e matar sua curiosidade.

expofile_garimpo

Várias obras interativas e eletrônica

expo file

Este é o Robinson ele é um autômato

A exposição na Fiesp estava cheia, muita fila para interagir nas obras mais legais. Principalmente na Be Boy Be Girl, que era uma instalação multissensorial que levava o visitante para uma praia no Hawai. Como eu já estava cansada de ter ficado na fila para entrar, simplesmente fugi de mais uma e não pude ter essa experiência.

be-boy-be-girl-dos-holandeses-frederik-duerinck-e-marleine-van-der-werf-1468270146627_956x500

Foto: Divulgação

Porém, a obra The Indivisible era mais acessível, era um grande painel de luzes, de Norimichi Hirakawa, Japão. A ideia da obra era questionar o 1+1, afinal, “O mundo que se vê não é o mundo em si”. As luzes iam mudando de cores e movimentos de tempos em tempos, e eram baseados em cálculos matemáticos na sua programação.

expofile_garimpo3 expofile_garimpo2

Obra The Indivisible | Expo FIle 2016

Todas as obras envolviam muitas luzes e sons. O ambiente escuro fazia toda a diferença no conjunto da exposição. Como eu disse, fui tarde demais a essa expo. Ela ficou em cartaz até hoje, dia 28/08 e agora deve voltar, provavelmente só ano que vem. Falha minha demorar tanto pra ir visita-la e não poder convida-los a ir lá, mas acredito que mais exposições e eventos legais virão e eu prometo que me adiantarei na visita para que de tempo de vocês irem também.

No mais, espero que tenham curtido ver um pouco dessa exposição por aqui, é legal poder registrar e dividir com mais pessoas todo o tipo de arte na Garimpo. Em breve volto com mais alguma novidade da minha #vidanovaemsp.

Um beijo,

assinaturadepost

 

desafio-beda